• qua. fev 21st, 2024

Fotógrafo flagra gato-mourisco com filhote pela primeira vez em 15 anos de trabalho no Pantanal de MS

PorAnna Gomes

6 ago 2021
Edir Alves

Edir Alves, que há 15 anos trabalha como fotógrafo, conseguiu pela primeira vez fazer o registro de um gato-mourisco no Pantanal de Mato Grosso do Sul.

O flagrante feito na tarde desta terça-feira (3), na fazenda San Francisco, em Miranda, a 207 km de Campo Grande, mostra o felino em cima de um cupim acompanhado de um filhote.

Em uma rede social, Edir conta que poder observar a cena, que para ele foi inédita em 15 anos de trabalho na região, “foi demais”:

“De uns meses para cá, eu e outros colegas de trabalho temos observado algumas vezes este bicho em uma área da fazenda com certa frequência”, escreveu.

Ainda de acordo com Alves, que também trabalha como guia de turismo, contou que esta aparição levantou suspeita de que seria uma fêmea e que estaria prenhe ou com filhote recém-nascido, pois estava com território muito restrito.

Segundo o portal G1 o biólogo Edu Fragoso contou que o gato-mourisco é um felino de médio porte raramente avistado na natureza. Embora ocorra em todo o Brasil, suas populações são bem pequenas e seu comportamento muito elusivo. Por isso, cada encontro com essa espécie é bem especial, ainda mais quando é possível captar esse momento pelas lentes de uma câmera fotográfica.

Fragoso ainda conta que apesar dos animais fotografados terem uma cor mais escura, os gatos-mouriscos apresentam uma variação grande na coloração, que vai de um pardo-avermelhado até quase preto: “Com hábitos diurnos, mesmo assim raramente são vistos”.

Ameaçado de extinção
O felino é considerado raro e está ameaçado de extinção no Brasil. O gato-mourisco, também conhecido como jaguarundi ou gato-preto. Ele tem menor porte do que as onças e quando adulto pode pesar até 9 quilos.

Conforme Edu Fragoso, o felino uma espécie que está no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Brasil e suas populações estão em declínio, muito por conta do desmatamento, que soma-se com as queimadas, caça e atropelamentos.

“Os mouriscos dependem muito de habitats florestais. Apesar de serem encontrados em áreas de lavoura, esta precisa estar próxima de um fragmento de mata mais preservado”, explica Fragoso.