• qua. fev 28th, 2024

Pesca de Dourado é obsessão em MS

PorDa Redação

17 fev 2021
622759f2-ae10-405b-9feb-940b5c12ef83

Apaixonados por pesca esportiva, primos recepcionam turistas que se aventuram na captura do Dourado, no rio Dourados

O rio Dourados, um dos principais destinos do turismo de pesca esportiva em Mato Grosso do Sul, é habitat de grandes exemplares de Dourado (Salminus brasiliensis). E se você sonha em capturar um ‘peixão’ desses, os primos Rodrigo Jorge, Bruno Jorge e Carlos Fernando são as pessoas certas. Há pelo menos três anos eles organizam pescaria com turistas de várias partes do mundo.

Primos e turistas durante captura de pintado. Foto: Arquivo Pessoal

Rodrigo e Bruno são residentes em Fátima do Sul-MS, cidade ao lado do rio, e Carlos Fernando mora em Dourados-MS. Desde 2016 eles têm ganhado projeção nacional graças ao sucesso nas pescarias. Rodrigo, por exemplo, já foi manchete em vários veículos de comunicação do estado em razão da captura de um Dourado de 13 quilos e de um Pintado com mais de 50 quilos. Bruno e Carlos já conquistaram importantes torneios de pesca.

Rodrigo quando capturou Dourados de 13 quilos. Foto: Arquivo Pessoal

Tal bagagem os credencia como guias de respeito na região. Segundo Rodrigo, que pesca há 20 anos no local, desde 2018 os primos se juntaram para receber os turistas. Eles entenderam que a pesca esportiva era um grande atrativo da região e decidiram se organizar para proporcionar uma experiência inesquecível aos visitantes. A única “preocupação” do turista é pescar. “A gente deixa tudo preparado”, explicou.

Em 2020, os primos receberam aproximadamente 400 pescadores, incluindo turistas do Panamá e outros países da América Central, bem como do Rio de Janeiro, Mato Grosso, Paraná e São Paulo. “Vem gente de todo o Brasil, mas asseguro que 80% dos visitantes são de Campo Grande (MS)”, afirmou. Os pacotes de passeio são encontrados a partir de R$ 800, mas o valor varia de acordo com a necessidade do pescador.

No pacote mais básico, por exemplo, está incluso o barco, combustível, piloteiro (guia) e um almoço com churrasco na beira do rio. No entanto, o turista pode ainda solicitar hospedagem em hotel, consumo de bebidas e até mesmo usufruir de um flutuante às margens do Dourados. Não estão inclusos equipamentos de pesca e iscas, itens que são por conta do turista. “Dependendo do que for combinado, a gente se encontra aqui perto do rio ou vamos buscá-los no hotel”, pontuou.

Bruno exibe Bruno exibe exemplar de Dourado de dar inveja. Foto: Arquivo Pessoal

Rodrigo e os primos são pescadores licenciados que defendem bandeiras de preservação ambiental como a Cota Zero, lei estadual que regulamenta a pesca amadora, ribeirinha e esportiva nos rios de Mato Grosso do Sul. “A gente é a favor da Cota Zero, porque prezamos pela preservação. Graças a esta preservação, temos conseguido desenvolver este trabalho que movimenta a economia de toda a cidade, como postos de combustíveis, hotéis, bares e restaurantes”, destacou.

Outras informações podem ser obtidas com Rodrigo Jorge, pelo telefone 67 9659-7108. Outros contatos: Bruno Jorge 067 99910-0981; Carlos 067 99692-0582.

Primos em outra pescaria. Foto: Divulgação

Autorização de pesca

O turista que deseja se aventurar com a pesca deve estar de acordo com a legislação. Neste sentido, para evitar problemas com a Justiça, é necessário autorização do órgão ambiental legal.

Já está disponível no site do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) a Autorização Ambiental para Pesca Amadora e/ou Desportiva em formato digital. O documento, que é exigido para exercer a atividade de pesca desportiva ou de lazer, pode ser emitida de forma digital ou impressa, no endereço eletrônico www.pescaamadora.imasul.ms.gov.br, ou ainda através do aplicativo MS DIGITAL.

A autorização ambiental para pesca continua sendo de caráter pessoal e intransferível e deve ser apresentada, na forma digital ou impressa, juntamente com um documento de identificação, no momento da fiscalização.

A validade para aposentados será de 1 ano, e permanecem vigentes as autorizações anteriormente emitidas, até o término do prazo constante no respectivo documento.

E no momento de uma possível fiscalização, será possível confirmar a validade e veracidade das informações da carteira através do Código de Segurança, ou ainda lendo o QRCODE que consta no verso da autorização.